Blog

Variáveis importantes do planejamento para Hidroponia

Variáveis importantes do planejamento para Hidroponia

O planejamento prévio de um projeto é fundamental em qualquer área. Ao se pensar em construir uma casa, por exemplo, deve-se ater a parte elétrica, hidráulica, de fundação, culminando no acabamento. Em um projeto hidropônico o raciocínio não é diferente. 

Quando falamos em planejamento estratégico para a montagem de um projeto hidropônico não devemos nos ater somente nos investimentos para a implantação deste projeto. Por exemplo, ao pensarmos em estufas, perfis hidropônicos com bancadas, painel elétrico e demais componentes, hidráulica, telas com acionamento automático ou manual, tipos de plástico, terraplenagem, construção de poço, ampliação da carga elétrica, gerador, pavimentação do entorno, alvenarias (casa de bomba, casa de insumos, casa de defensivos, escritório), computadores, impressoras e, principalmente, veículo de transporte e caixaria estamos fazendo um planejamento para a futura gestão de investimentos. Este ponto merece destaque dada a necessidade de programação de desembolsos e de recursos humanos voltados para investimento.

Por outro lado, é importante destacar a necessidade de se ter condições de aporte de recursos suficientes para a garantia de “se cobrir” custos diretos e indiretos para a produção em pelo menos três meses após a execução do investimento.

planejamento hidroponia

Assim, destacamos alguns custos (dentre fixos e variáveis; diretos e indiretos) importantes a serem programados, tais como: aquisição de insumos (defensivos, fertilizantes, sementes, indutores de crescimento, dentre outros); custos com água, energia elétrica, mão de obra e encargos, embalagem, taxas anuais estaduais, contador, despesas administrativas (escritório), pagamento de consultoria, pró-labore, despesas com transporte (combustível e pedágio) e manutenção de veículos,  alimentação de funcionário, equipamentos de proteção individual (EPI), além dos custos de divulgação de sua marca, com o uso, por exemplo, de promotores e repositores nos pontos de venda. 

Torna-se relevante ressaltar que a manutenção emergencial das estufas (troca de plástico com imprevisibilidade temporal), manutenção da rede elétrica, hidráulica, manutenção do sistema hidropônico, manutenção de equipamentos (bombas, temporizadores), acidentes com caminhão ou afastamentos de um funcionário por gestação e acidentes de trabalho são custos indiretos que carecem de um planejamento ou para alguns, “um caixa extra para eventuais prejuízos na linguagem hidropônica”.

Aos que investiram em um projeto hidropônico através de financiamento têm-se ainda os juros e parcelas a serem cumpridas no decorrer da vida produtiva.

Percebam que ao detalharmos alguns custos e, ao associarmos aos demais valores investidos, somando-se a estes os custos com depreciação, definida como custo para a substituição dos bens, após a vida útil deste ou para substituição por defasagem tecnológica, podemos pensar em preço e lucro. 

Mediante ao exposto, chegamos a um limiar de discussão muito importante no planejamento estratégico, que é a formação de preço do seu produto.

Por definição, a composição de valor de um produto pode ser subdividida em parte objetiva (custos inerentes à produção ou custo de produção) e parte subjetiva, grau de satisfação do consumo da marca atrelada ao produto, por exemplo e, que a diferença entre o custo e a venda é o seu lucro (que é diferente do seu pró-labore). 

Resumidamente, o objetivo deste artigo foi destacar a real necessidade do levantamento de todas as variáveis necessárias para a produção de um produto hidropônico e, que o sucesso do empreendimento está atrelado ao quanto o empreendedor for assertivo neste planejamento.

Espero assim que tenhamos contribuído com estas informações para o seu sucesso na realização de seu projeto em hidroponia.

Bons cultivos ;)

Gostou desta notícia? Separamos alguns artigos que lhe podem interessar: