Blog

Agricultura no deserto: as fazendas verticais são a solução para economizar água?

Agricultura no deserto: as fazendas verticais são a solução para economizar água?

Com altas temperaturas e escassez de água, os Emirados podem parecer um lugar improvável para uma fazenda. No entanto, como o coronavírus e as mudanças climáticas aumentam o desejo de segurança alimentar, as fazendas verticais podem ser a solução?

hidroponia tomate

"Quando eu disse às pessoas que cultivariam tomates no deserto, elas pensaram que eu era louco", disse Sky Kurtz, fundador da Pure Harvest Smart Farms.

Com apenas uma média de 12 dias de chuva por ano, menos de 1% de terras aráveis, um local deserto e uma taxa de importação de 80% de alimentos, os Emirados Árabes Unidos parecem um local desfavorável para a criação de uma fazenda.

Kurtz é um dos vários empresários que usam técnicas agrícolas de alta tecnologia para aumentar a produção agrícola nos Emirados. A Pure Harvest construiu a primeira estufa climatizada em Abu Dhabi em 2017.

Impulsionado pelas condições áridas e pelo desejo de maior segurança alimentar, o país está investindo milhões em tecnologias - como a agricultura vertical - que poderiam torná-lo um pioneiro agrícola improvável.

hidroponia tomate

As fazendas verticais podem cultivar uma rica variedade de culturas diferentes, empilhando-as em camadas sob iluminação LED em estufas climatizadas e regando-as com sistemas de névoa ou gotejamento. O processo é adaptado às necessidades específicas de cada cultura, resultando em colheitas de alto rendimento durante o ano todo.

"Leva 30 a 40 dias para cultivar folhas verdes no campo. Podemos cultivar a mesma colheita em 10 a 12 dias", diz Marc Oshima, co-fundador da Aerofarms. A empresa recebeu financiamento do Abu Dhabi Investment Office para construir a maior fazenda vertical coberta da capital, com 800 culturas diferentes, até 2021.

hidroponia tomate

Escassez de água e dependência de combustíveis fósseis

A tecnologia utiliza um solo mínimo e até 95% menos água que a agricultura convencional.

O sistema hidropônico coloca as raízes das plantas diretamente em uma solução à base de água e rica em nutrientes, em vez de no solo. Esse sistema de "circuito fechado" captura e recircula toda a água, em vez de permitir que ela seja drenada - útil para um país como os Emirados Árabes Unidos que sofre com o estresse hídrico extremamente alto.

Globalmente, a agricultura é responsável por 70% da retirada de água doce, e os Emirados Árabes Unidos estão extraindo água subterrânea mais rapidamente do que pode ser reabastecida, de acordo com o Centro Internacional para Agricultura Biossalina (ICBA).

"A água é muito cara nos Emirados Árabes Unidos, mas a energia é barata, pois é subsidiada", diz Jan Westra, desenvolvedor estratégico de negócios da Priva, empresa que fornece tecnologia para fazendas verticais.

O ambiente controlado artificialmente consome muita energia porque o ar condicionado e as luzes LED precisam de uma fonte constante de eletricidade.

Essa criação de vida no deserto pode ter um alto custo ambiental. A maior parte dessa energia vem de combustíveis fósseis emissores de carbono, mesmo quando o país do Oriente Médio sente os efeitos das mudanças climáticas.

Prevê-se que em 2050 a temperatura média de Abu Dhabi aumente em torno de 2,5 ° C em um cenário de negócios. Nos próximos 70 anos, também é esperado que os padrões de chuvas mudem.

hortas verticais

Integrando energia renovável

Embora a Pure Harvest esteja construindo uma fazenda movida a energia solar na vizinha Arábia Saudita, suas operações nos Emirados Árabes Unidos obtêm eletricidade da rede nacional de uso intensivo de carbono.

Investir mais em energias renováveis ​​"é um objetivo nosso", disse Kurtz à DW. Ele disse que a empresa não estabeleceu uma meta de energia limpa, mas está trabalhando em vários projetos de energia verde, incluindo um plano para integrar a energia solar gerada nos Emirados Árabes Unidos em suas operações.

No entanto, Willem van der Schans, pesquisador especializado em cadeias de suprimentos curtas da Universidade Wageningen, na Holanda, diz que sustentabilidade e energia limpa devem ser "inerentes à tecnologia e incluídas nos planos ao iniciar uma fazenda vertical".

Ele argumenta que muitas empresas agrícolas verticais não são sustentáveis ​​em termos de energia, pois ainda veem a energia limpa como um "complemento" opcional.

Ismahane Elouafi, diretora geral do ICBA, financiada pelo governo, em Abu Dhabi, reconhece que a agricultura vertical ainda tem algum caminho a percorrer antes de alcançar a "sustentabilidade real", mas ela acredita que as inovações são "promissoras".

Melhor armazenamento de bateria, luzes LED cada vez mais eficientes e painéis solares mais baratos ajudarão, acrescenta ela.

Soluções locais

Até 2050, o governo dos Emirados Árabes Unidos quer gerar quase metade de sua energia a partir de fontes renováveis.

Fred Ruijgt, especialista em agricultura vertical da Priva, argumenta que é importante levar o transporte e a refrigeração para a equação da energia. A agricultura vertical usa mais energia para cultivar do que a agricultura tradicional, mas como as culturas são cultivadas localmente, elas não precisam ser transportadas por ar, mar ou caminhão por longas distâncias.

agricultura vertical

"É difícil calcular exatamente a economia de energia, mas as vantagens das culturas cultivadas localmente são enormes", diz ele, acrescentando que aquelas cultivadas em fazendas verticais não apenas usam menos água e pesticidas, como também têm uma vida útil mais longa devido ao tempo mínimo de transporte.

Segurança alimentar e coronavírus

Em 2018, os Emirados Árabes Unidos estabeleceram sua visão de se tornar um centro para a produção local de alimentos de alta tecnologia.

Empresas e investidores lotaram a região, atraídos pela taxa de imposto corporativo de 0%, baixos custos de mão-de-obra e energia barata. Com a ajuda deles, os Emirados Árabes Unidos pretendem reduzir sua dependência de importações e tornar seu sistema alimentar mais resistente a choques como mudanças climáticas e pandemias.

Oshima, da Aerofarms, diz que a pandemia de coronavírus trouxe "uma maior apreciação de quão frágil é a cadeia de suprimentos e levantou questões sobre segurança e proteção alimentar".

Quando os Emirados Árabes Unidos entraram em confinamento em abril, os suprimentos importados de produtos perecíveis, como legumes, caíram e os negócios cresceram para os fornecedores locais.

Elouafi, do ICBA, disse que ajudou a manter os Emirados Árabes Unidos bem abastecidos durante a pandemia.

"Com a ajuda da produção local de alimentos e importações adequadas, não houve absolutamente falta de alimentos nos Emirados Árabes Unidos", disse Elouafi.

As mudanças climáticas, no entanto, representam uma ameaça mais complexa para o país a longo prazo. Dado o provável impacto da mudança climática na produção de alimentos, ela diz que a agricultura vertical mostrou que é "uma proposta economicamente viável, mesmo com condições climáticas adversas".

Bons cultivos ;)

Gostou deste artigo? Separamos alguns artigos que lhe podem interessar: